Grande Colisor de Hádrons


Semana passada, eu li uma notícia sobre o Grande Colisor de Hádrons – ou em inglês, Large Hadron Collider (LHC) – o gigantesco acelerador de partículas que é o maior e mais complexo instrumento científico já construído. É sempre um acontecimento quando falam dele, mas eu ainda não vi um retorno científico por parte dele.

O acelerador, cujo custo é estimado em US$ 8 bilhões, começou a operar em setembro de 2008 entre as fronteiras da França e da Suíça. Como o aparelho apresentou problema de vazamento, teve que ser aquecido para ser consertado. E a notícia era sobre o final do reparo, e o LHC voltou a se tornar um dos lugares mais frios do Universo.

Todos os oito setores do túnel de 27 km de circunferência que abriga o Grande Colisor de Hádrons estão operando a uma temperatura de -271ºC (ou 1.9 kelvin) – mais frio do que o espaço profundo. A temperatura atingida pelo LHC é pouco superior ao “zero absoluto” (-273,15°C), a mais baixa possível. Em regiões remotas do espaço sideral, a temperatura é de cerca de -270°C. E para atingir essa temperatura, os cientistas usaram hélio líquido.

Large-Hadron-Collider

O LHC foi projetado para atirar partículas de prótons umas contra as outras quase à velocidade da luz. A liberação maciça de energia causada pelo choque das partículas simularia as condições após a explosão que deu origem ao universo. No experimento realizado em 19 de setembro de 2008, os engenheiros circularam partículas de prótons dentro do túnel de 27 km de circunferência que abriga o LHC. Após o sucesso dessa primeira parte, o próximo passo será projetar outras partículas na direção oposta para que possam colidir, recriando as condições que existiam no universo imediatamente após o Big Bang.

Essa parte da pesquisa que muito me interessa que ficou parada devido ao problema de vazamento, e segundo os cientistas da Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN), que opera o aparelho, o LHC deve voltar a funcionar em novembro, mas os choques de alta energia só devem ocorrer a partir de janeiro.

Os físicos teóricos predizem há anos a existência de um fenômeno subatômico conhecido como bóson de Higgs, mas apelidado de “partícula de Deus“, mas nenhum instrumento sobre a Terra foi capaz de encontrá-lo. Se os cientistas de fato detectarem a partícula de Deus, a descoberta poderá resolver uma das maiores questões da ciência: por que existe toda a matéria do Universo?

mapa_do_universo

Anúncios

Uma resposta para “Grande Colisor de Hádrons

  1. O Boson de Higgs pode não ser uma partícula e sim uma energia gravitacional quantica. Se for uma partícula que dá massa a todas as outras partículas, o que dá massa a este bosom? O bosom daria uma gravidade à partícula e para dar esta gravidade teria que a partícula girar. O giro dá uma força centrífuga a partícula e uma força centrípeta que seria a gravidade. Ver http://www.gallup.unm.edu/~smarandache/UnsolvedProblemsRelativity.pdf

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s