Vista


Para aqueles que estão pensando que esse post vai falar do Windows Vista, estão muito enganados. O VISTA (Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy, ou “Telescópio de Pesquisa por Luz Visível e Infravermelha para Astronomia”),  maior telescópio de pesquisa do mundo, localizado no deserto de Atacama, no norte do Chile. Foi construído por um consórcio de universidades britânicas. Mas passou para a European Southern Observatory (ESO) em dezembro.

A ESO é uma organização astronômica internacional, composta e conduzida por dez países da União Européia mais a Suíça, que foi criado em 1962.

Esta organização ficou famosa ao descobrir um candidato a galáxia mais distante vista por humanos, a galáxia Abell 1835 IR1916. Em 2005, a organização obteve a primeira imagem de um exoplaneta, a 2M1207b, que está orbitando uma estrela anã marrom, a 260 anos luz de distância.

No coração do VISTA encontra-se uma câmara de 3 toneladas que contém 16 detectores especiais sensíveis à radiação infravermelha, com um total combinado de 67 milhões de pixels. Observar a comprimentos de onda maiores dos que os visíveis ao olho humano, permite ao VISTA estudar objetos que são, de certa maneira, impossíveis de observar. Ou porque são muito frios, obscurecidos por nuvens de poeira ou estão tão longe de nós que a radiação que emitem foi esticada para além do limite visível, devido à expansão do Universo. Para se conseguir detectar a fraca radiação infravermelha que vem do espaço, a câmara tem que estar a -200º Celsius, selada com a maior janela transparente ao infravermelho já construída.

Agora que já sabemos bastante sobre o VISTA e a organização que pertence, vou falar da primeira imagem divulgada. A imagem, acima, mostra uma região de formação de estrelas conhecida como Nebulosa da Chama, ou NGC 2024, na constelação de Orion. Constelação que eu já comentei, aqui, em Reflexão da Nuvem de Poeira de Orion.

O núcleo da nebulosa é completamente oculto por poeira para a luz visível. Mas a imagem foi feita utilizando-se raios infravermelhos, assim pode-se ver um aglomerado de estrelas muito jovens no coração do objeto. E dá para entender a capacidade do VISTA.

O campo amplo do VISTA também inclui o brilho refletido da nebulosa NGC 2023, logo abaixo do centro. E há também o contorno vago da Nebulosa da Cabeça do Cavalo (Barnard 33), na área inferior direita.

A estrela azul brilhante à direita é uma das três estrelas brilhantes que formam o Cinturão de Orion.

Anúncios

Uma resposta para “Vista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s