Hikaru No Go

Volto a falar do jogo Go, um jogo milenar que é uma terapia para mim, reflete um esforço pessoal acerca do equilíbrio e harmonia interior, um ideal tanto espiritual quanto prático, um empreendimento cooperativo e o mais importante, é que o Go é um meio de comunicação entre duas pessoas, uma disputa amistosa, ponto-contraponto.

O Go é a essência da simplicidade e possui ao mesmo tempo o máximo em complexidade. Aprender Go é fácil. Dominar o Go é agradável, um desafio sem fim.

hikaru001

Mas este tópico é para falar de um mangá criado no Japão, em 1998 conhecido como Hikaru no Go que serviu para popularizar o jogo entre os jovens. Criado por Yumi Hotta e arte de Takeshi Obata – desenhista de Death Note, o desenho do momento – o mangá se tornou anime, logo depois.

hikaru004O título, Hikaru no Go, que quer dizer literalmente “O Go de Hikaru”, conta a história de Hikaru Shindo, um estudante da sexta série, e suas aventuras no mundo do Go. Hikaru era um garoto normal que ao visitar o sotão do avô, encontra um velho tabuleiro de Go (goban) e acaba libertando um fantasma preso neste tabuleiro. Eu já falei do equipamento de Go.

O fantasma se chama Fujiwara no Sai, um mestre em Go do período Heian, apaixonado pelo Go. Ele é um fantasma porque cometeu suícídio ao perder um jogo para um adversário que robou durante o jogo. Pode parecer simples mas como todo mangá existe um sentimento de levar tudo ao extremo. Faz parte da cultura japonesa.

Na verdade, Sai era um conselheiro do Imperador. Com a chegada desse outro jogador que passou lhe ameaçava o posto de conselheiro de Go do Imperador e que o desafiou para ver quem seria o melhor no Go. Sai era um dos melhores jogadores de Go que já existiu, mas perdeu por causa de uma pedra roubada pelo adversário. Após o suicídio Sai não consegue descansar em paz, pois tinha um objetivo atingir a Mão de Deus (Kammi no itte), e seu espírito acabou ficando preso no tabuleiro de Go.

hikaru005Antes de aparecer para Hikaru, o fantasma de Sai havia aparecido, séculos antes, para nada mais, nada menos que Torajiro – Honinbou Shuusaku que um dos maiores jogadores que existiu no Japão – e lhe ensinou tudo que sabia.

Sai vai tentar fazer com que Hikaru o satisfaça fazendo-o jogar por ele. Assim começam as aventuras desses dois personagens que os levaram a conhecer novos amigos e grandes adversários. Um deles será o maior rival de todos, Akira Touya. Akira irá fazer com que Hikaru queria ser tão bom quanto ou talvez melhor que ele.

Durante toda a história da evolução de Hikaru no jogo de Go, e da “rivalidade-amizade” entre Hikaru e Akira. Hikaru conhecerá pessoas interessantes e divertidas, lugares bonitos e históricos, entrará em encrencas e participará de torneios. Por fim, Hikaru irá crescer, será responsável e amante do Go.

Tanto o mangá quanto o anime são recheados de referências históricas, jogos reais, dicas e tudo que este estilo de histórias em quadrinho tem direito. Para quem quiser assistir ao anime pode encontrá-lo no animescenter.com. Vale muito a pena.

hikaru003

Bushido

Bushido (武士道) que é literalmente, “O caminho do guerreiro”, se desenvolveu no Japão. Um modo de vida, código de conduta não-escrito e código ético praticado pelos samurais, a classe de guerreiros do Japão feudal ou bushi.

O Bushido recebeu forte influência do Zen BudismoXintoísmoConfucionismo. Caminho espiritual, ético e filosófico enfatiza a prática das virtudes: honradez e justiça – GI (義); Coragem, bravura e heroísmo – YUU (勇); Compaixão, benevolência, simpatia, amor incondicional para com a humanidade – JIN (仁); Polidez, cortesia, amabilidade – REI (礼); Sinceridade absoluta – MAKOTO (誠); Honra, gloria – MEIYO (誉); Dever, lealdade, devoção – CHUU (忠).

Seu maior princípio era buscar uma morte com dignidade, conforme expresso no Hagakure (oculto nas folhas), um dos mais importantes tratados acerca do Bushido, escrito por Yamamoto Tsunetomo, um samurai da província de Nabeshima, atual Saga, em 1716.

samurai2

A essência do Bushido está presente no “Credo de um Guerreiro”, escrito por um samurai no século XV.

  • Não tenho país: fiz do céu e da terra meu país.
  • Não tenho lar: fiz da percepção o meu lar.
  • Não tenho vida ou morte: fiz do fluir e do refluir da respiração a minha vida e minha morte.
  • Não tenho poder divino: fiz da honestidade o meu poder divino.
  • Não tenho recursos: fiz da compreensão os meus recursos.
  • Não tenho segredos mágicos: fiz do meu caráter o meu segredo mágico.
  • Não tenho corpo: fiz da resistência o meu corpo.
  • Não tenho olhos: fiz do relâmpago os meus olhos.
  • Não tenho ouvidos: fiz da sensibilidade os meus ouvidos.
  • Não tenho membros: fiz da diligência os meus membros.
  • Não tenho estratégia: fiz da mente aberta a minha estratégia.
  • Não tenho perspectivas: fiz de “agarrar a oportunidade por um fio” as minhas perspectivas.
  • Não tenho milagres: fiz da ação correta os meus milagres.
  • Não tenho princípios: fiz da adaptabilidade das circunstâncias os meus princípios.
  • Não tenho táticas: fiz do pouco e do muito as minhas táticas.
  • Não tenho talentos: fiz da agilidade mental os meus talentos.
  • Não tenho amigos: fiz da minha mente o meu amigo.
  • Não tenho inimigos: fiz do descuido o meu inimigo.
  • Não tenho armadura: fiz da benevolência e da imparcialidade a minha armadura.
  • Não tenho castelo: fiz da mente imutável o meu castelo.
  • Não tenho espada: fiz da ausência do ego a minha espada.

Equipamento de GO

Existe uma infinidade de peças e combinações de equipamentos para jogar Go. Muitos tipos e formas de tabuleiros feitos com diversos tipos materiais, assim como as pedras que também variam suas formas, modelos e tipos de materiais. Assim como os preços que vão de alguns poucos reias à centenas de dólares, de pendendo do conjunto.

O equipamento básico para se jogar Go consiste de:

1. Goban
Um tabuleiro que é chamado de goban no Japão. Tabuleiro retangular, o qual é constituido pelo cruzamento de linhas verticais e horizontais. Habitualmente o tabuleiro tem a dimensão de 9×9, 13×13 ou 19×19, sendo este último o tamanho oficial para jogos de torneio. O tabuleiro que normalmente é de madeira e mede aproximadamente 42 por 46cm, com 19 linhas por 19 colunas. As linhas são espaçadas em aproximadamente 2,4cm e as colunas em 2,2cm. Esta diferença ocorre porque a partir da perspectiva do jogador que tem uma visão oblíqua do tabuleiro este retângulo de 2,2cm por 2,4cm irá parecer um quadrado perfeito.

goban

2. Goishi
Possui 361 pedras sendo 181 pretas e 180 brancas que em japonês são chamadas de goishi. As medidas oficiais para as pedras são: 2,10cm de diametro; altura da pedra de 5,5mm (pode variar de 5 a 10mm de altura); e com o formato aproximado de uma lentilha, ou discos voadores (ou seja gordas no centro e finas nas bordas). Feitas geralmente de basalto (pretas) e madre-pérola (brancas). Existem pedras outros tamanhos, modelos e formas.

Pedras de Go

3. Gosu
E duas cumbucas para guardar as pedras chamadas de gosu no Japão. São geralmente feitas de madeira nobre, mas podem ser simples cumbucas de plástico.

gosu

Kanji

Minha fascinação pela cultura oriental trás um novo assunto, Kanji. A palavra “kanji” significa, em japonês, “letra chinesa”, ou, num sentido mais amplo, “escrita chinesa”. Os ideogramas são aquelas letras complicadas, cheias de traços. Os primeiros deles datam de mais de cinco mil anos A.C.

Eram desenhos utilizados primordialmente em rituais supersticiosos. Com o tempo, sofreram alterações e seus traços foram simplificados; criaram-se padrões de escrita.

Seu número aumentou, e hoje há mais de cinqüenta mil deles. Séculos atrás, não havia escrita no Japão. Em virtude do intercâmbio cultural e comercial com a China, adotou-se no arquipélago nipônico alguns dos milhares de ideogramas utilizados pela nação vizinha. Atualmente, um japonês adulto deve saber, no mínimo, pouco mais de de dois mil kanjis.

A escrita chinesa é composta exclusivamente por esse tipo de caractere (ideograma). Já a escrita japonesa não, esta possui um alfabeto silábico chamado Katakana Hiragana.

Kata” do katakana significa “pedaço”, “fragmento” ou “que não é completo”. “Kana” significa letras provisórias ou transitórias. O katakana foi criado tomando-se uma parte do kanji para poder ler textos búdicos escritos em chinês, por volta do século IX. Mais tarde, começam a sugir textos escritos em kanji e katakana.

Hira” do hiragana significa “usual”, “fácil” ou “redondo”. As letras receberam esse nome por terem sido criados através da forma cursiva dos kanji, portanto, letras mais arredondadas e fáceis de serem escritas. Na época da sua criação, fins do século IX, os hiragana eram utilizados apenas pelas mulheres.

ryu Ryu – Dragão

Mais informação sobre “kanji”, em Aula de Japonês – Kanji.

Go

Quero apresentar um jogo que eu aprecio muito, é divertido e ao mesmo tempo contemplativo, simples, mas com uma complexidade extrema. O jogo é conhecido como Go.

O Go (碁, no Japão), Wei Chi (圍棋, na China) ou Baduk (바둑, na Coréia) é um jogo estratégico de soma zero em que duas pessoas posicionam pedras de cores opostas.

Go board

O Go teve origem na China há cerca de 4.000 anos. A sua introdução no Japão data de mais de 1.300 anos. Durante este período, a antiga forma do Go foi modificada e aperfeiçoada pelos japoneses. O principal fascínio deste jogo consiste na simplicidade de suas regras e na complexidade que o jogo alcança.

No Go é utilizada uma classificação que permite aos jogadores estabelecer uma vantagem (handicap) que torne o jogo igual para ambos.  Este sistema tem para os principiantes a classificação de 30º kyu, classificação essa que vai diminuindo de kyu à medida em que o jogador se torna mais experiente.

Ao chegar a 1º Kyu o jogador está perto de se tornar mestre (dan), onde então passa à classificação de 1ºDan, também conhecida como Sodan. A partir daí o grau vai aumentando até atingir o mais alto – que atualmente corresponde ao 9ºDan.

strong>Go é jogado em um tabuleiro retangular de madeira1, com uma matriz de linhas composta por 19 linhas e 19 colunas e tem como objetivo o cerco de territórios e a captura de inimigos.

As peças pretas e brancas (feitas de basalto e madre-pérola), em formato de discos voadores, são colocadas alternadamente nas intersecções das linhas, na tentativa de cercar a maior parte dos 361 territórios, além de escaparem de ser cercadas pelo inimigo.

Brancas e pretas se alternam no jogo, sendo colocadas em qualquer território (intersecção das linhas, não o centro de quadrados) incluindo cantos e bordas.

Go set

O objetivo do jogo é cercar o maior número possível de territórios. Cada pedra então é como um pedaço de cerca. As pedras não se movem e só podem ser retiradas do tabuleiro caso sejam capturadas.

A qualquer momento um jogador pode passar a sua vez, sem colocar pedra alguma. Quando os dois jogadores passarem a sua vez, o jogo estará terminado e assim começa a contagem de territórios. As regras são iguais para os dois lados, sendo que a única exceção é a de que as pretas começam o jogo.

É um jogo de guerra de soma zero, uma vez que os dois participantes compartilham e disputam um mesmo território, respeitando 6 regras muito simples, que podem ser aprendidas em dez minutos.

Acredita-se que nenhuma partida de Go tenha sido repetida alguma vez. Isso pode ser verdade dado que em um tabuleiro 19×19, existem cerca de 3361×0.012 = 2.1×10170 posições possíveis, a maioria das quais são o resultado final de cerca de (120!) 2 = 4.5×10397 diferentes partidas sem capturas, resultando num total de 9.3×10567 jogos. Permitindo fazer capturas, então temos 10 elevado a (7,5 x 1048) partidas possíveis, a maioria das quais chegariam a ter 1.6×1049 movimentos! Só para fazer duas comparações, o número de posições legais no Xadrez é estimado entre 1043 e 1050 (com 10123 partidas legais), e os físicos estimam que não há mais do que 1090 prótons no universo inteiro visível. 

Para saber mais sobre esse jogo estratégico, muito antigo e curioso veja: Introdução ao Go.

Nota:É uma grelha de 19×19, mas de fato não é um quadrado, há uma pequena diferença, de forma que o tabuleiro fica retangular. Colocado com o lado maior entre os jogadores, compensa a ilusão de óptica, parecendo quadrado (se colocarem o tabuleiro com o lado menor para os jogadores, ele parecerá “achatado”)